EN PT
+55 11 5571-2525

Viajante Cia Eco

Luiz e Leonor Moschini

A viagem foi fantástica e eu avaliaria com nota 9. Tirei 20.000 fotos fiz 1200 filmes e nos divertimos um bocado.

Lógico que num evento desta magnitude sempre ocorrem imprevistos e pontos a serem aperfeiçoados e é muito bom que sejam analisados. Segue abaixo meu parecer sobre as diferentes etapas da viagem:

Esclarecimentos de dúvidas e apoio ao planejamento inicial da viagem foram perfeitos, nota 10. Hayla esta de parabéns por sua competência.

Embarque para SP e Johannesburgo. Tivemos apoio no Aeroporto de Guarulhos que facilitou nosso Check-IN. Na verdade tivemos duas liberações de Alfândega, uma no RJ e outra em SP.

Transfer de Johannesburgo para Nairobi. Foi feito por nossa conta sem maiores problemas. Tivemos que nos transferir de Terminal, mas o fizemos sem problemas.

Recepção no Aeroporto de Nairobi. Havia uma pessoa nos esperando.

Jantar no Carnivorous. Vieram nos pegar conforme combinado. Demoramos 3 horas para chegar ao restaurante em função do trânsito. Ocorreu tudo bem conforme programado. Para nós brasileiros que estamos acostumados com rodízio me pareceu algo muito cansativo e sem grandes atrativos.

Viagem para Aberdare. A viagem foi ótima, a paisagem belíssima e o Guia muito bom. O almoço e o receptivo do Hotel nota 10.

A viagem para o alojamento seria feita por ônibus. Preferi pagar um Safári à parte que me levou co mais privacidade ao topo da montanha. Valeu cada dólar empenhado (US$ 100,00) e acho que esta possibilidade deveria ser oferecida a outros viajantes.

A estadia no The Arcs foi maravilhosa. Muito frio, mas o visual incrível.

Lake Nakuro e Nayvasha. Descemos cedo do Hotel (de ônibus). No receptivo nos esperava o mesmo guia atencioso que nos conduziu imediatamente para Nakuro. É uma viagem extremamente longa e por menos que tivéssemos parado pelo caminho acabamos vendo o Lake Nakuro de passagem pois estávamos por perder a hora do almoço. O lugar é magnífico e nos deu muita pena não podermos ver com mais calma. Chegamos a Naivasha mais de 17:00 e fizemos um lindo passeio de barco (opcional e fundamental pois não há nada mais para ver em Naivasha) O problema que chegamos muito tarde e terminamos o passeio já sem luz. O lago é incrível e também se faz necessário mais tempo para apreciá-lo.

Transferência para Masai Mara. A estrada de acesso para Masai Mara é um terror e como eu já previra em nosso bate papo a van não agüentou. Os amortecedores dianteiros romperam. Fiz uma avaliação recomendei que o motorista seguisse em marcha lenta até atingindo o destino.

O Hotel de Masai Mara foi o pior do percurso. A manutenção não e boa, os quartos ficam distante no meio de um labirinto de trilhas onde sempre nos perdíamos.

Conseguimos executar os safáris e voltar para Nairóbi graças a destreza do guia.

Na Tanzânia nos esperava um veículo cheio de Mexicanos.

O Hotel Serena de Ngorongoro é precioso. Muito bom mesmo. O passeio pela cratera foi inesquecível com direito a Pic-Nic e muitas aventuras. Seria melhor prever dois dias para a cratera, vale a pena.

Seguimos para o Serengueti junto com um casal de espanhóis numa Land Rover. Caminho muito ruim. Abortamos a visita as ruínas.

O Hotel Serena do Serengueti assim como os passeios foram espetaculares. Nada a melhora neste quesito.

A viagem de Nairóbi para Johannesburgo foi normal e dentro do previsto. Chegamos a noite na cidade. O caminho do aeroporto para o ponto das Vans é estreito e escuro. Ficamos com muito medo. Realmente considerando que o Hotel é muito próximo ao aeroporto teria sido muito melhor e mais seguro pagar um Taxi.

O Hotel de Johannesburgo é bom e próximo do aeroporto. O problema é que não tem frigobar nem qualquer outro tipo de serviço. Tivemos que carregar nossa malas, procurar uma casa de câmbio para trocar dólares, procurar um restaurante e água fora do hotel, a noite e isto tudo após uma longa viagem.

O passeio para o Lion Parque foi interessante.. O passeio não incluía o melhor da programação que era o passeio com o Guepardo. Assim tive que pagar por fora o passeio e negociar com a empresa que estava nos transportando uma taxa extra pelas horas que tiveram que nos esperar.

A volta para o Brasil transcorreu conforme programado.

Abraços,

Moschini